Entre em contato

Entretenimento

O Espelho

Publicado

em

Mulher olhando-se e tocando no espelho

Sempre passei por aquela rua e nunca havia notado essa portinha, curiosa como sempre resolvi entrar, tratava-se de uma espécie de galeria de bugigangas com preços incríveis, logo não pude resistir e comprei várias coisas inúteis das quais não iria precisar, mas jamais perderia tal “oportunidade”.

Antes de sair da galeria deparei-me com um espelho de tamanho grande, de corpo inteiro, a moça falou que estavam fechando a empresa e ele estava praticamente de graça, não teve jeito, comprei. Ainda perturbei um amigo para levar o espelho até a minha casa. Coloquei-o provisoriamente na sala até conseguir um lugar definitivo.

Na manhã seguinte, antes de ir para o trabalho resolvi ver-me no meu novo espelho mais uma vez, confesso que gostei muito do que vi, pois estou um pouco acima do peso, mas qual mulher não está? Porém e para minha surpresa eu parecia bem mais esbelta e radiante,  já gostei desse espelho, foi uma ótima aquisição.

Depois de mais um dia cansativo de trabalho e quando retornava para casa resolvi passar novamente na galeria, quem sabe o que me espera por lá? Que tesouros posso achar a preço de banana? Estranho, não estou conseguindo encontrar a portinha, tenho certeza que era aqui.

Pergunto para um ambulante sobre o minicentro comercial que havia ali, pois não conseguia encontrá-lo e ele responde que nesse local não há um local de vendas como eu descrevi, talvez eu tenha me enganado, mas não faz sentido, eu estava aqui ontem, estou ficando louca?

Então cheguei em casa intrigada, mas o espelho estava lá, pelo menos não desapareceu como a loja. Uma vez mais fui olhar como estava, e dessa vez estava mais exuberante que nunca, charmosa, altiva, de deixar Scarlett Johansson com inveja. Tem algo de estranho nesse espelho. 

Hoje faz uma semana que o espelho está em minha casa e aconteceu algo, no mínimo, bizarro, o meu reflexo me convidou a entrar no espelho, acho que estou enlouquecendo, primeiro compro um espelho em uma loja que nunca existiu e agora isto.

Décimo dia do espelho em casa, retomei a coragem e voltei a encarar o espelho. Venha sua boba, diz o meu reflexo, você vai gostar, insiste ele. Aqui é bem melhor, você terá tudo o que sempre sonhou.

Nos dias seguintes fui aos poucos perdendo o medo do meu reflexo, passei a conversar com ele, primeiro cumprimentos rápidos até começar a ter longas conversas, passei a falar do meu dia, das meus problemas profissionais, de relacionamentos, das minhas angústias e inseguranças, e olha que eu, digo, meu reflexo além de ótimo ouvinte é muito bom conselheiro, isso sem falar na conversa inteligente e construtiva. Eu, digo, meu reflexo é demais. Após um mês e como em qualquer relacionamento decidi dar um passo a mais, decidi que poderia aceitar o convite e entrar no espelho.

Ele, meu reflexo, não precisou pedir nada, parece que sabia da minha intenção. Não se preocupe, serei gentil, disse eu…, ele…, ou seja lá o que for, ele me estendeu a mão e me convidou a entrar. Antes de entrar impus algumas condições… poderia sair a hora que desejasse e não seria obrigada a fazer nada que não quisesse. 

Fiz uma transição, se assim posso chamar, tranquila e logo estava do outro lado, ainda olhei para trás e vi minha sala se afastando. Estávamos em uma espécie de campo onde havia uma porta no meio do nada, meu reflexo me convidou a entrar, você primeiro disse ele… Entrei, receosa, apreensiva, ansiosa, mas segui mesmo assim. Saio na mesma galeria em que comprei o espelho, tudo parece igual ao dia em que comprei o espelho com exceção de eu me sentir muito mais viva, mais confiante e segura de mim.

Minha chefa se aproxima e parece aliviada ao me ver. A senhora esqueceu sua bolsa, vou dizer ao motorista para vir lhe buscar, ou a senhora prefere retornar ao escritório? Confusa disse que retornaria ao escritório. Chegando lá descubro que sou a dona e a minha chefa é na verdade minha secretária. Meu motorista me leva até em casa e descubro morar em um apartamento com um padrão muito elevado.

Na sala encontro o bendito espelho, então vejo através dele a sala do meu antigo apartamento, e o que vejo é estarrecedor, me vejo lá. Troco um olhar com o meu outro eu e nos aproximamos, nos encaramos, meu reflexo me diz que trocamos de lugar e agora eu estava presa no espelho, estava amaldiçoada, somente em trinta anos a loja de bugigangas apareceria de novo e se alguém comprasse o espelho eu poderia tentar fazer a troca.

De repente tudo escurece, o meu outro eu cobre o espelho e fico, literalmente no vácuo, no vazio, sem nada ao meu redor, nem luz, nem som, sem chão ou paredes, simplesmente flutuo no nada. Luto, mas em vão, não há contra o que lutar, entro em desespero, choro e me entrego. A cabeça roda e desmaio. 

Moça, moça, está tudo bem? Parece hipnotizada pelo espelho. Isso já me diz que ele servirá perfeitamente para você, se quiser eu posso mandar entregar em sua casa, basta me dar o endereço. 

Acordo com a Letícia me cutucando. Estás doida? Caso a chefa te pega dormindo no trabalho ele te manda embora. Aparentemente eu dormia em serviço, fui ao banheiro me recompor.

Minutos antes da saída troco umas palavras com Letícia, tive um sonho estranho Lê, não lembro muito bem, mas foi agonizante, ainda bem que você me chamou, já pensou se a chefa me pega cochilando, nem quero pensar. 

Na saída seguíamos, as duas, a pé até o estacionamento quando reparei numa portinha que nunca havia visto antes, olha Letícia uma galeria de bugigangas, vamos entrar e ver se encontramos algo interessante? Estou mesmo precisando de um espelho de corpo inteiro…

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Amazonas

Realização do Carnaval em Manaus será decidida após o Réveillon

David Almeida afirmou que a decisão sobre as festas de Carnaval na capital amazonense será tomada em até duas semanas após o réveillon, com base em dados epidemiológicos

Publicado

em

Manaus (AM) – O brasileiro já estava quase voltando a normalidade e, até, pensando no Carnaval de 2022, mas o surgimento da variante ômicron mudou novamente os planos. O réveillon já foi cancelado em várias cidades do Brasil, inclusive em Manaus.

Agora, outro ponto a ser estudado é a realização do Carnaval, uma das festas mais esperadas pelos brasileiros. O prefeito David Almeida afirmou que a decisão sobre as festas de Carnaval na capital amazonense será tomada em até duas semanas após o réveillon, com base em dados epidemiológicos sobre o novo coronavírus e síndromes gripais fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

Apesar da suspensão temporária do Edital de Chamamento Público nº 004/2021, que destina apoio financeiro no valor de R$ 2.229.541,60, ao desfile das Escolas de Samba de Manaus do Grupo Especial, “A” e “B”, para o Carnaval de 2022, a prefeitura continua o monitoramento de casos de Covid-19 e síndromes gripais e atuará com cautela e responsabilidade com o objetivo de proteger a população.

“O repasse às escolas de samba está suspenso momentaneamente. Nós não estamos cancelando o Carnaval ainda. Estamos aguardando os dados da Semsa em relação ao aumento ou não dos casos de Covid-19 e síndromes gripais”, declarou o prefeito David Almeida.

“As ameaças relacionadas ao novo coronavírus e as síndromes gripais acenderam o alerta no nosso sistema da saúde e fizeram com que tomássemos essa decisão de cancelar o repasse. A prioridade é proteger a população da cidade de Manaus”, afirmou.

Segundo o prefeito, a decisão da prefeitura sobre o Carnaval 2022 será avaliada e divulgada em até duas semanas após o Réveillon, o que corresponde a meados do dia 14 de janeiro de 2022.

O prefeito esclareceu ainda que os repasses às escolas de samba podem retornar caso haja controle do aumento das síndromes gripais.

“Se diminuirmos esses contágios, tivermos controle dos atendimentos nas Unidades Básicas de Saúde, pronto-socorros e Unidades de Pronto Atendimento, a prefeitura fará uma nova leitura e um comunicado”, pontuou.

Continue Lendo

Entretenimento

Farofa da GKay vai virar documentário: ‘Vai sair em breve’, diz influencer

Nas redes sociais, ela se emocionou com o sucesso da festa e anunciou um documentário sobre o evento

Publicado

em

A humorista e influenciadora Gessica Kayane conseguiu parar a internet durante os três de festa em comemoração do aniversário dela. A Farofa da GKay virou o assunto do momento e rendeu comentários entre famosos e anônimos. Nas redes sociais, ela se emocionou com o sucesso da festa e anunciou um documentário sobre o evento.

A digital influencer agradeceu aos convidados e fãs pela grande repercussão da Farofa, que reuniu famosos por três dias em um hotel de luxo em Fortaleza e bombou a web.

Ela aparece em stories no Instagram chorando ao compartilhar um vídeo de Tatá Werneck falando da Farofa durante o Prêmio Multishow. “Primeiro, eu queria dar bom dia para vocês. Segundo, acho que estou parando para processar as coisas agora”, disse a humorista.

“Teve esse negócio do Prêmio Multishow. A Tatá é minha referência na vida. Meu sonho é ir no programa dela, estar perto dela. Eu acho ela f*** em todos os sentidos da palavra. E ela falando lá de mim de uma forma tão orgânica e espontânea”, continuou, emocionada. GKay disse, ainda, que deu “tudo certo” e foi “tudo lindo”. “A gente preparou um documentário lindo para vocês que vai sair em breve contando tudo. Eu estou muito feliz. Queria agradecer cada artista que foi f*** comigo”, anunciou.

Mas quem é Gkay

Ao longo dos dias de festas, as redes sociais ficaram tomadas por posts sobre o evento e, também, questionamentos sobre quem é Gkay.

Gessica Kayane, a Gkay, já fazia sucesso com vídeos de humor no Youtube, quando entrou no Tik Tok pela primeira vez. O começo no app, em 2018, foi para uma parceria comercial, que acabou não vingando.

“E aí quando no final de 2019, começo de 2020, foi que eu comecei a usar e foi aí que descobri esse novo mundo, porque acho que o Tik Tok tira um pouco do peso do Instagram. Você tem mais liberdade lá. Você não se cobra tanto. Me sinto mais solta.”

Além do sucesso nas redes, Gkay também tem trabalhos na TV e no cinema. Em entrevista ao g1 em 2020, a influencer se preparava para o lançamento de dois filmes (um deles com Tirulipa) e a gravação da nova temporada da série “Os Roni”.

Ainda assim, Gkay garantiu que não deixaria de lado os vídeos nas redes sociais. “Da internet, eu não saio. É de onde eu vim, amo fazer demais e é meu lugar. Sempre vou estar ali que é o que eu sei fazer de melhor.”

“Acho que lá é como se fosse mais uma brincadeira. O Instagram é como se fosse meu trabalho real e o TikTok é como se fosse assim meu lazer, sabe”, analisou a humorista, que vai protagonizar um especial de Natal do Netflix ao lado de Vera Fisher e Sérgio Malheiros.

Só em 2020, entre maio e outubro, Gkay ganhou 5,4 milhões de seguidores na plataforma, saltando de 2,4 milhões para 7,8 milhões. Ela atribui parte desse crescimento à quarentena:

“Foi um momento que todo mundo se voltou bem mais para o digital, ficou sendo nossa única opção, digamos assim, e as pessoas estavam sim procurando mais conteúdo de humor, até pelo momento que a gente tava vivendo, era meio que uma válvula de escape.”

De olho na nova audiência e aproveitando o período em casa, Gkay conta que passou a fazer mais postagens diárias. “Até porque estava mais tranquila, tinha mais tempo livre, o conteúdo era mais orgânico”, explica ela.

Hoje, Gkay já soma quase 17 milhões de seguidores.

Continue Lendo

Entretenimento

Lucy

Após uma noite mal dormida Susana começa a ouvir a sua gata, Lucy, que passa a dar-lhe avisos, conselhos e vira sua confidente

Publicado

em

Paralisia do Sono

Acordo suada, ofegante, destruída, parece que corri a São Silvestre sem a devida preparação. Passa um pouco das 3 da manhã e essa já é a terceira noite que isso me acontece… queria levantar, mas o medo me impele a ficar deitada na “segurança” da minha cama, e eu me pergunto: medo de quê? Não há o que temer. Isso já está me prejudicando, preciso fazer algo a respeito… amanhã procuro um médico. 

Viro pro outro lado da cama na tentativa de dormir, mas em vão, os minutos passam, as horas se arrastam e não consigo dormir. O despertador toca… agora tenho que levantar e ir trabalhar, não sinto mais medo, mas como disse anteriormente teria medo de quê?

Vamos Susana, levanta menina, mais um dia de trabalho. O dia demora imenso a passar e o cansaço das noites mal dormidas minam o meu corpo… ufa acabou o dia. Droga, esqueci de procurar um médico.

Chego em casa e Lucy (minha felina) me recebe sem muita animação, apenas um leve olhar desinteressado. Tento conseguir alguma atenção dela, mas sem sucesso. Os gatos são assim mesmo e não posso fazer muita coisa a respeito.

Abro a geladeira lá está ela, minha cevada, abro-a e dou um grande gole, que coisa boa depois de um dia interminável de trabalho. Tomo um banho, coloco a camisola, esquento o resto da pizza de ontem e vou finalizar um trabalho. Pronto, hora de dormir. Lucy já está acomodada na cama, bem no meio da cama, ela se acha a dona de tudo. Os gatos são notívagos e Lucy naturalmente não vai dormir agora, mas os felinos gostam de estar próximos aos seus donos para protegê-los e esse comportamento é uma forma de mostrar afeição pelo seu humano, então Lucy sempre fica onde eu estou. Espero ter finalmente uma noite tranquila de sono hoje.

Novamente acordo por volta das 3 horas da manhã, mas desta vez não consigo me mexer, pareço estar “pregada” na cama. O led verde do ar-condicionado ilumina o quarto, percebo então um vulto embaixo dele, não há uma forma definida, é algo como se fosse uma sombra. Tento me mexer, gritar e nada, não consigo. Sinto uma presença próxima a mim, não sei explicar. Sinto frio, muito frio, não sei porque, mas estou sem as cobertas. Agora a presença parece mais próxima e começo a sentir sua respiração, porém não vejo nada e pior de tudo, não consigo me mexer, estou totalmente paralisada.

O vulto junto ao ar-condicionado parece aproximar-se, está cada vez mais perto, agora assemelha-se a uma barata, uma barata gigante vindo em minha direção. Nesse momento sinto algo subir em minhas pernas, como se fossem perninhas andando em mim, subindo e subindo, são pegajosas, meladas, frias, a sensação de nojo e terror estão me sufocando. Agora estão na altura da minha coxa, a velocidade é menor, mas continua subindo, ouço um sussurrar, tento virar a cabeça para ver o que é, mas não consigo.

A barata gigante agora se debruça na cama, e vem em minha direção, ela abre as asas parece querer me abraçar, me envolver, uma gosma cai em cima de mim e as perninhas já estão na altura da minha cintura… Meu Deus! Não consigo me mexer. Minha pulsação está acelerada, sinto que vou desmaiar a qualquer instante, tento empurrar meu corpo para trás para me enterrar na cama e afastar aquele blatídeo de mim, contudo sem sucesso, meu Deus…

Finalmente consigo me mexer, mas não consigo gritar, imediatamente passo a mão na barriga em direção as pernas para tirar de cima de mim seja lá o que for que sobe pelo meu corpo, mas não consigo sentir nada, cato o celular embaixo do travesseiro e acendo a lanterna, olho para as minhas pernas, nada, nem um sinal de nada nojento que sentira antes, o inseto gigante também sumira sem deixar vestígios. Cubro-me por completo e tento me acalmar, estou ofegante, aterrorizada e nem arrisco sair debaixo das cobertas. Algo passa pelo meu pé, dou um grito, de um pulo só saio correndo e me tranco no banheiro do quarto. 

Silêncio total, não ouço nada, preciso ligar pra alguém, droga deixei o celular no quarto. Encolho-me no canto do box e rezo pra “coisa” não vir atrás de mim e olha que faz muito tempo que perdera a minha fé. Uma vez mais não consigo me mexer, embora dessa vez eu possa. Lucy, esqueci da gata, o que devo fazer? Ir lá ou deixá-la à própria sorte? Após algum tempo, encho-me de coragem e tento levantar, minhas articulações estalam quebrando o silêncio e a dormência toma conta de minhas pernas. Arrasto-me até a porta que ao abrir range enchendo meu ser de apreensão, o que eu irei encontrar no quarto? A luz do banheiro ilumina o ambiente, não vejo nada de anormal no quarto. Sinto dedos passarem por minha perna. Tudo escurece, desmaio. 

Acordo com a gata se esfregando em mim e tenho a impressão que ela falou em meus pensamentos, disse que tinha um recado da minha avó, ela dizia que minha casa estava tomada de espíritos obsessores e que estava lhe protegendo, mas disse para você mudar ainda hoje. Nossa, devo mesmo procurar um médico, as alucinações estão ficando macabras.

Após outro dia cansativo no trabalho chego em casa e Lucy me espera na porta. Você deve mudar hoje, murmura em minha cabeça a voz da gata. Olho para ela e silêncio, ela está no modo de não querer ser incomodada.

Pontualmente, às três horas, noite após noite tenho visões cada vez mais aterrorizantes, já fui a vários médicos, psicólogos e outros especialistas, contudo ainda não conseguiram resolver o meu problema.

Já faz seis meses da primeira visão e agora Lucy não para de falar na minha mente, às vezes é bom “ouvir” o que ela tem dizer, já parou com essa história de obsessores e me trata de forma meiga e carinhosa, mas não é normal, um gato não fala, temo estar ficando louca.

Através do circuito interno de TV, um grupo de residentes em psiquiatria observa Susana conversando com um gato, Dr. Rui explica que ela sofreu um abalo emocional muito grande com a morte da avó e com pouco tempo após a partida da avó ela definhou e foi encontrada desmaiada em seu quarto. Desde então cisma que esse gato fala com ela e passa a maior parte do dia deitada olhando para o teto, às vezes parece fugir de algo, fica acuada na cama, olhos petrificados, são alucinações, assim como as conversas com o felino. 

Vamos a outro paciente agora…

Imagem: Papay-Style

Quer outra história intrigante? Diana não poderia imaginar que a simples compra de um espelho poderia virar sua vida de ponta a cabeça, ou não.

Continue Lendo

Trending