Entre em contato

Amazonas

Instituto Mamiraúa firma parceria com Terramazonia Superplants

Publicado

em

MANAUS (AM)  Com o objetivo de contribuir e fomentar ações de conservação na Região Amazônica, a Terramazonia Superplants e o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá assinaram um termo de parceria que prevê a aplicação de parte do lucro obtido com a venda dos produtos da empresa em projetos desenvolvidos pelo instituto. O contrato já está em vigor e tem duração de três anos, com opção de renovação.

Doação

Entre os principais itens do acordo, ficou estabelecido que a cada produto vendido, a TMZ doará R$ 1 (um real) ao instituto, para fortalecer iniciativas de conservação, desenvolvimento e manejo de recursos naturais conduzidas pela organização na Amazônia.

Pesquisadores catalogam plantas na Amazônia

Pesquisadores catalogam plantas na Amazônia

Comunidades

Além disso, o Instituto Mamirauá e a Terramazonia concordaram em discutir a possibilidade de levar a comunidades assessoradas propostas justas para fornecimento de insumos provenientes da agricultura familiar e do manejo sustentável para os produtos da empresa.

Para o diretor técnico-científico do Instituto Mamirauá, Emiliano Esterci Ramalho, a iniciativa é primordial para o desenvolvimento de projetos que beneficiam diretamente os povos amazônicos.

“É muito importante esse interesse de uma empresa privada em dar um retorno para a Região. Essa parceria, na prática, significa fazer um investimento, com base no lucro da própria empresa, em ciência, em melhoria da qualidade de vida das pessoas e conservação da Amazônia. Isso é louvável, porque nós sabemos que, atualmente, os investimentos nessas áreas são muito escassos”, exaltou.

Conservação da Floresta

Instituto Mamirauá realiza estudos na Floresta

Pesquisadores realizam estudos na Amazônia

De acordo com o diretor técnico-científico da Terramazonia Superplants, Emerson Silva Lima, a parceria com o Instituto Mamirauá é a oportunidade que a empresa buscava de promover ações efetivas de conservação.

“Desde que fomos criados, temos como um ponto forte a visão da economia social, que é o compartilhamento dos lucros do negócio com as comunidades. O que a empresa deseja é desenvolver ações contundentes pela preservação e o Instituto Mamirauá é o melhor parceiro que poderíamos ter, por ser uma organização séria e que tem um trabalho reconhecido. Hoje em dia, as pessoas não querem mais apenas consumir um produto. Elas também querem saber de onde ele vem, como é feito. É o consumo consciente. O nosso consumidor vai estar contribuindo diretamente para ações de conservação”, disse.

Anda para o diretor, com a atitude da Terramazonia, espera-se que outras empresas sintam-se motivadas a participar de processos do gênero.

“A parceria também traz um benefício potencial importante. Ela demonstra que as empresas podem assumir esse papel de apoiar e financiar esses temas, incentivando outras a adotarem as mesmas práticas e demonstrarem o mesmo comprometimento”, concluiu.

Sobre a Terramazonia Superplants

A Terramazonia Superplants nasceu com o propósito de promover a conexão entre  o bem-estar, a biodiversidade da Amazônia e a sustentabilidade econômica dos produtores locais. Graças à inspiração de farmacêuticos, PHD’s em biotecnologia, a empresa criou suplementos e ingredientes naturalmente funcionais – a base de plantas provenientes de comunidades locais, com o propósito de levar os benefícios da biodiversidade da Amazônia para a rotina de todos.

A TMZ utiliza frutos in natura cultivados por comunidades locais da região amazônica colaborando assim com a proteção contra desmatamentos e abandonos de áreas produtivas.

Sobre o Instituto Mamirauá

O Instituto Mamirauá é um dos centros de excelência do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e referência nacional e internacional em desenvolvimento sustentável para a conservação da biodiversidade e melhoria da qualidade de vida da população amazônica. Localizado na região do Médio Solimões, Amazonas, suas ações são voltadas à criação e à consolidação de modelos de uso da biodiversidade para o desenvolvimento econômico e social de comunidades tradicionais. Entre seus territórios de atuação estão as Reservas de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Amanã, que juntas somam uma área protegida de quase 3,5 milhões de hectares.

Leia mais:

Jambu, planta da Amazônia é rica em ferro e vitamina C

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Amazonas

Queima de fogos no réveillon é cancelada em Manaus

A celebração aconteceria em 12 pontos da capital amazonense

Publicado

em

Manaus (AM) – A queima de fogos no réveillon foi cancelada em Manaus. O anúncio foi feito pelo prefeito David Almeida, nesta sexta-feira (17). A celebração aconteceria em 12 pontos da capital amazonense.

A decisão foi tomada com o objetivo de combater o aumento no número de casos de Influenza tipo A sazonal (H3N2) e para evitar aglomerações pela capital. As festas já haviam sido canceladas no começo do mês.

“Devido ao aumento no número de casos de Influenza e da nova variante do coronavírus, estou anunciando, ouvindo as orientações da ciência e da medicina, o cancelamento a queima de fogos que aconteceria em diversos pontos da cidade na Virada de Ano. A cautela e a prudência são os nossos dois maiores aliados neste momento. Faremos tudo para resguardar a segurança e a saúde da população manauara. Desejo a todos um Feliz Natal e um próspero Ano Novo”, enfatizou Almeida.

Continue Lendo

Amazonas

Amazonas registra 179 novos casos de Covid-19 e três mortes

Os dados foram divulgados pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas

Publicado

em

Manaus (AM)- O Amazonas voltou a registrar mortes por Covid0-19 e novos casos da doença, conforme aponta o boletim, divulgado nesta quinta-feira (16), pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP).

Foram diagnosticados 179 novos casos de Covid-19, totalizando 432.182 casos da doença no estado, e três novas mortes, elevando o número para 13.820 vidas perdidas.

O boletim acrescenta, ainda, que 2.066 pessoas com diagnóstico de Covid-19 estão sendo acompanhadas pelas secretarias municipais de saúde, o que corresponde a 0,48% dos casos confirmados ativos.

Entre os casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, internados em Manaus há 62 pacientes, sendo 30 em leitos clínicos (3 na rede privada e 27 na rede pública), 32 em UTI (2 na rede privada e 30 na rede pública).

Há ainda outros 7 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 3 estão em leitos clínicos na rede privada, 3 estão em UTI na rede pública e 1 em sala vermelha.

No boletim consta, também, que há outros 21 pacientes internados com Covid-19, na rede pública de saúde do interior do estado, conforme informado pela Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM). São 2 em Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e 19 em leitos clínicos.

Municípios 

Dos 432.182 casos confirmados no Amazonas até esta quinta-feira (16), 205952 são de Manaus (47,65%) e 226.230 do interior do estado (52,35%).

A capital, Manaus, tem 41 novos casos confirmados. No interior, os 21 municípios que têm casos novos registrados em: Manicoré (41), Tefé (16), Autazes (13), Coari (11), Tonantins (10), Presidente Figueiredo (9), Boa Vista do Ramos (6), Apuí (4), Careiro (3), Humaitá (3), Parintins (3), Tabatinga (3), Barreirinha (2), Itacoatiara (2), Lábrea (2), Nhamundá (2), Santa Isabel do Rio Negro (2), São Paulo de Olivença (2), Urucurituba (2), Amaturá (1) e Benjamin Constant (1).

Mortes 

Entre as vítimas em Manaus, há o registro de 9.504 óbitos confirmados em decorrência do novo coronavírus. No interior, são 61 municípios com óbitos confirmados até o momento, totalizando 4.316.

A lista inclui novos óbitos em: Manaus (1), Nhamundá (1) e Tefé (1).

O boletim diário é construído com as informações disponibilizadas diariamente pelas prefeituras municipais, todos os dias da semana, incluindo fins de semana e feriados.

Continue Lendo

Amazonas

Realização do Carnaval em Manaus será decidida após o Réveillon

David Almeida afirmou que a decisão sobre as festas de Carnaval na capital amazonense será tomada em até duas semanas após o réveillon, com base em dados epidemiológicos

Publicado

em

Manaus (AM) – O brasileiro já estava quase voltando a normalidade e, até, pensando no Carnaval de 2022, mas o surgimento da variante ômicron mudou novamente os planos. O réveillon já foi cancelado em várias cidades do Brasil, inclusive em Manaus.

Agora, outro ponto a ser estudado é a realização do Carnaval, uma das festas mais esperadas pelos brasileiros. O prefeito David Almeida afirmou que a decisão sobre as festas de Carnaval na capital amazonense será tomada em até duas semanas após o réveillon, com base em dados epidemiológicos sobre o novo coronavírus e síndromes gripais fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

Apesar da suspensão temporária do Edital de Chamamento Público nº 004/2021, que destina apoio financeiro no valor de R$ 2.229.541,60, ao desfile das Escolas de Samba de Manaus do Grupo Especial, “A” e “B”, para o Carnaval de 2022, a prefeitura continua o monitoramento de casos de Covid-19 e síndromes gripais e atuará com cautela e responsabilidade com o objetivo de proteger a população.

“O repasse às escolas de samba está suspenso momentaneamente. Nós não estamos cancelando o Carnaval ainda. Estamos aguardando os dados da Semsa em relação ao aumento ou não dos casos de Covid-19 e síndromes gripais”, declarou o prefeito David Almeida.

“As ameaças relacionadas ao novo coronavírus e as síndromes gripais acenderam o alerta no nosso sistema da saúde e fizeram com que tomássemos essa decisão de cancelar o repasse. A prioridade é proteger a população da cidade de Manaus”, afirmou.

Segundo o prefeito, a decisão da prefeitura sobre o Carnaval 2022 será avaliada e divulgada em até duas semanas após o Réveillon, o que corresponde a meados do dia 14 de janeiro de 2022.

O prefeito esclareceu ainda que os repasses às escolas de samba podem retornar caso haja controle do aumento das síndromes gripais.

“Se diminuirmos esses contágios, tivermos controle dos atendimentos nas Unidades Básicas de Saúde, pronto-socorros e Unidades de Pronto Atendimento, a prefeitura fará uma nova leitura e um comunicado”, pontuou.

Continue Lendo

Trending