Entre em contato

Economia

Crescimento nas vendas on-line aumenta busca por profissionais qualificados

Empresas buscam profissionais qualificados para alavancar as vendas e aumentar o poder de alcance da sua marca

Publicado

em

Manaus (AM) – Tecnologia e internet sempre foram grandes ferramentas para qualquer negócio e à medida que essas ferramentas evoluem, o comércio se adapta a elas. Segundo o site Ecommerce Brasil, as pequenas e médias empresas desse segmento registraram aumento de 185% nas vendas entre 2019 e 2020. Esse crescimento fez com que mais empresas começassem a buscar por profissionais qualificados para alavancar as vendas e aumentar o poder de alcance da sua marca.

O social media passou a ser importante nesse cenário, onde as redes sociais assumiram um papel fundamental. O Facebook e o Instagram, por exemplo, representaram um terço dessas vendas. Além de comprar, os consumidores usam esses canais para pesquisar ofertas, tirar dúvidas, buscar opiniões, ou seja, se sentirem confiantes antes de comprar algo.

A praticidade de não precisar sair de casa para comprar um produto ou fechar um negócio fez com que o mercado se transformasse, e a pandemia só fez acelerar esse processo. E o social media, segundo a fundadora e CEO da empresa Faz Teu Nome, Wanessa Castro, é quem fica responsável por realizar toda a operação das redes, com base nas estratégias de marketing para as marcas que desejam ser facilmente localizadas, receber avaliações do público, aumentar o seu fã-clube e, claro, alavancar o número de vendas.

“As redes sociais não foram criadas para realizar vendas, elas foram criadas para gerar relacionamento. Portanto, antes de querer vender para seus seguidores, é importante criar uma conexão e um relacionamento com eles. Para isso, há uma estratégia muito útil chamada de Funil de Conteúdo, que é onde usamos conteúdo específicos para atrair seguidores, para gerar relacionamento e também para gerar vendas. Para cada etapa desse funil, há tipos de conteúdo diferentes. Essa estratégia é fantástica”

No último ano, as compras realizadas por intermédio das redes sociais saltaram de 22% para 34%. O Instagram tem se destacado pela importância na estratégia dos lojistas e já corresponde a 87% das vendas.

O consultor de marketing, Erik Tavares, 25 anos, é um dos profissionais que conseguiu um emprego no mercado de trabalho após ser procurado por empresas que desejam estreitar os laços com os consumidores por meio das redes sociais. Segundo ele, a transformação do mercado para o formato E-commerce é muito importante hoje em dia.

“Empresas que estão surgindo agora já estão utilizando as redes sociais como principal forma de contato com seus clientes. E as empresas mais tradicionais estão se adaptando também. O diferencial do formato E-commerce é o relacionamento personalizado com o cliente. Através das redes sociais, o cliente pode encontrar o produto ou serviço do jeito que deseja, pois, o perfil do cliente é levado em consideração durante a venda pela internet. Nem sempre o cliente quer o produto que está em promoção. Ele quer o produto que satisfaça suas necessidades”, disse ele.

Veja como trabalhar com o E-commerce

A integração entre vendas presenciais e online será uma forte tendência para a temporada de compras neste fim de ano e, principalmente, continuará sendo um dos mecanismos de venda em 2022. Para conseguir bater as metas sem perder a relação da marca com o cliente, a Wanessa Castro dá quatro dicas para quem quer começar ou se adaptar ao E-commerce:

1 – Cada público tem sua particularidade. Claro que há estratégias gerais que podem ser aplicadas em qualquer nicho, como o funil de conteúdo, por exemplo. Mas a forma como esse conteúdo será passado, a comunicação, o posicionamento e a imagem diferem de acordo com o objetivo de cada marca. É totalmente possível termos duas marcas do mesmo segmento, com o mesmo público e objetivo, mas com comunicações totalmente diferentes e que trazem igualmente resultados. E isso independe se é um produto físico ou prestação de serviço.

2 – Os principais erros são: Fazer ofertas demasiadas sem criar conexão com o público. É comum vermos perfis nas redes sociais de marcas que só postam ofertas. Como disse anteriormente, o propósito das redes sociais é gerar relacionamento, e uma marca que só quer vender, sem gerar valor e sem gerar conexão, dificilmente obtém sucesso.

3 – Outro erro é não estar presente de maneira constante. Um dos maiores ativos do mundo é a atenção. Na internet, a atenção das pessoas está sendo disputada a todo instante. Há muita gente criando conteúdo bom em todas as áreas e há muitos anúncios também. Por isso, se você fica muito tempo sem expor a sua marca aos seus seguidores, acaba sendo esquecido facilmente.

4 – Tenha uma estratégia digital bem definida, que gere valor através de conteúdos gratuitos e técnicas de vendas definidas. Caso não tenha conhecimento para isso, procure um profissional de Social Media. Este é um investimento que vale a pena no seu negócio.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Senado aprova PEC dos Precatórios, que banca auxílio de R$ 400

O programa Auxílio Brasil, substitui o Bolsa Família e já vinha sendo pago desde 17 de novembro a cerca de 14,5 milhões de famílias brasileiras

Publicado

em

Brasília (DF) – O Senado Federal aprovou, nesta quinta-feira (2), a Medida Provisória (MP) 1061/2021 que cria o Auxílio Brasil. A MP havia sido enviada pelo governo em agosto e já tinha sido aprovada, com alterações, pela Câmara dos Deputados no último dia 25.

A matéria tinha até o dia 7 para ser aprovada, sob o risco de perder sua eficácia. O agora PLV 26/2021, segue para sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro.

O novo projeto de lei cria também o programa Alimenta Brasil, que substituirá o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), destinado a agricultores familiares.

Auxílio Brasil

O programa Auxílio Brasil, substitui o Bolsa Família e já vinha sendo pago desde 17 de novembro a cerca de 14,5 milhões de famílias brasileiras.

O programa prevê três tipos de benefícios: o Benefício Primeira Infância, que será pago para famílias com crianças de até 3 anos de idade; o Benefício Composição Familiar, destinado a famílias que tenham, em sua composição, gestantes, nutrizes ou pessoas com idade entre 3 e 21 anos de idade incompletos; e o Benefício de Superação da Extrema Pobreza, pago às famílias em situação de extrema pobreza, cuja renda familiar per capita mensal, mesmo somada aos benefícios financeiros anteriores eventualmente recebidos, seja igual ou inferior ao valor da linha de extrema pobreza.

Além desses benefícios, o programa também institui os auxílios Esporte Escolar; Bolsa de Iniciação Científica Júnior; Criança Cidadã; Inclusão Produtiva Rural e Inclusão Produtiva Urbana, classificados como “incentivos ao esforço individual e à emancipação”.

PEC dos Precatórios

O financiamento do programa se dará graças à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, também aprovada nesta quinta-feira. Isso porque, como a PEC adia o pagamento dos precatórios o governo passa a ter uma folga financeira para financiar o Auxílio Brasil.

O Auxílio Brasil deve ter pagamento de parcelas com valor médio de R$ 400. Já ficou definido pela matéria que o teto nesse valor do benefício terá caráter permanente e não temporário. A expectativa é que o programa atenda 17 milhões de famílias.

Continue Lendo

Economia

Pix Saque e Pix Troco estão disponíveis a partir desta segunda; veja como vai funcionar

Os usuários poderão fazer saques em locais como padarias, lojas de departamento e supermercados

Publicado

em

A partir desta segunda-feira (29) passam a valer duas novas modalidades do Pix: Saque e Troco. Os usuários poderão fazer saques em locais como padarias, lojas de departamento e supermercados, não apenas em caixas eletrônicos.

Segundo o Banco Central (BC), a oferta dos dois novos produtos da ferramenta aos usuários é opcional, cabendo a decisão final aos estabelecimentos comerciais, às empresas proprietárias de redes de autoatendimento e às instituições financeiras.

Pix Saque

O Pix Saque permitirá que os clientes de qualquer instituição participante do sistema realizem saque em um dos pontos que ofertar o serviço.

Estabelecimentos comerciais, redes de caixas eletrônicos compartilhados e participantes do Pix, por meio de seus serviços de autoatendimento próprios, poderão ofertar o serviço. Para ter acesso aos recursos em espécie, o cliente fará um Pix para o agente de saque, em dinâmica similar à de um Pix normal, a partir da leitura de um QR Code ou do aplicativo do prestador do serviço.

Pix Troco

No Pix Troco, a dinâmica é praticamente idêntica. A diferença é que o saque de recursos em espécie pode ser feito durante o pagamento de uma compra ao estabelecimento. Nesse caso, o Pix é feito pelo valor total, ou seja, da compra mais o saque. No extrato do cliente aparecerá o valor correspondente ao saque e à compra.

Limite

O limite máximo das transações do Pix Saque e do Pix Troco será de R$ 500,00 durante o dia, e de R$ 100,00 no período noturno (das 20h às 6h). De acordo com o BC, haverá, no entanto, liberdade para que os ofertantes dos novos produtos do Pix trabalhem com limites inferiores a esses valores, caso considerem mais adequado aos seus fins.

Tarifas

De acordo com o BC, não haverá cobrança de tarifas para clientes pessoas naturais (pessoas físicas e microempreendedores individuais) por parte da instituição detentora da conta de depósitos ou da conta de pagamento pré-paga para a realização do Pix Saque ou do Pix Troco em até oito transações mensais. A partir da nona transação realizada por mês, as instituições financeiras ou de pagamentos detentoras da conta do usuário pagador podem cobrar uma tarifa pela transação.

O valor da tarifa cobrada é de livre estabelecimento pela instituição e deve ser informado ao usuário pagador antes da etapa de confirmação da transação. “Os usuários nunca poderão ser cobrados diretamente pelos agentes de saque”, destacou a instituição.

O BC explica ainda que os quatro saques tradicionais gratuitos realizados pelo usuário fora do âmbito do Pix Saque e Pix Troco podem ser descontados da franquia de gratuidades (oito por mês). Ou seja, se o usuário realizar um saque da sua conta, sem ser por meio do Pix Saque ou Pix Troco, esse saque poderá ser contabilizado e sua franquia de gratuidades poderá ser reduzida de oito para sete, a critério da instituição.

Para o comércio que disponibilizar o serviço, as operações do Pix Saque e do Pix Troco representarão o recebimento de uma tarifa que pode variar de R$ 0,25 a R$ 0,95 por transação, a depender da negociação com a sua instituição de relacionamento.

Continue Lendo

Economia

Veja o valor e quem tem direito de receber o vale-gás

O Programa, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro na semana passada, ficará em vigor por cinco anos

Publicado

em

Brasília (DF) – A partir de dezembro, o governo federal pagará um vale-gás a famílias de baixa renda, para recompor a alta do preço do gás de cozinha. O Programa Gás do Brasileiros foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro na semana passada e ficará em vigor por cinco anos.

Quem tem direito?

O benefício é destinado a famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo nacional, ou famílias que tenham entre seus integrantes quem receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Quando começa?

O pagamento começa em dezembro e, no primeiro mês, o Ministério da Cidadania informou que utilizará recursos próprios da pasta, no valor de R$ 300 milhões. Para os pagamentos de 2022, o governo ainda precisa encontrar espaço para a liberação de recursos do orçamento.

Pela lei, o programa será financiado com recursos dos royalties pertencentes à União na produção de petróleo e gás natural sob o regime de partilha de produção, de parte da venda do excedente em óleo da União e bônus de assinatura nas licitações de áreas para a exploração de petróleo e de gás natural. Além disso, serão utilizados outros recursos que venham a ser previstos no Orçamento Geral da União e dividendos da Petrobras pagos ao Tesouro Nacional.

O programa tem ainda como uma das fontes de financiamento o montante que cabe à União da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) incidente sobre combustíveis.

Qual o valor?

Cada família elegível receberá, a cada dois meses, o valor correspondente a uma parcela de, no mínimo, 50% da média do preço nacional de referência do botijão de 13 quilos de gás de cozinha, estabelecido pelo Sistema de Levantamento de Preços (SLP), da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nos seis meses anteriores, conforme regras que ainda serão definidas em decreto.

De acordo com o levantamento, o valor médio do botijão em 2021 é de R$ 102,48. Ou seja, cada família deve receber R$ 51,24. A estimativa para o ano que vem é que o valor médio do botijão suba para R$ 112,48.

Como cadastrar?

Não é necessário cadastramento, será usada a base de dados do CadÚnico e do BPC. O governo utilizará a estrutura do Programa Auxílio Brasil para realizar os pagamentos do vale-gás, por meio da Caixa Econômica Federal.

Ele será concedido, preferencialmente, às famílias com mulheres vítimas de violência doméstica que estejam sob o monitoramento de medidas protetivas de urgência. A preferência de pagamento também será para a mulher responsável pela família.

Continue Lendo

Trending